Porque o bisneto do czar russo morreu sozinho na Austrália

Leonid Kulikovsk, em criança, com a avó Olga Alexandrovna (à esquerda) e os pais, Rut and Guriy (à direita)

Leonid Kulikovsk, neto do penúltimo czar russo, Alexandre III, teve um morte anônima e solitária no interior da Austrália. A história fica ainda mais dramática, porque os restos mortais de Leonid permaneceram no necrotério por dois meses, ja que as autoridades não reconheceram sua identidade.

Segundo o Daily Beast, Kulikovsk morava sozinho, era um engenheiro aposentado e faleceu enquanto andava no parque com seu cachorro, devido a um enfarte.

Leonid era neto grã-Duquesa Olga Alexandrovna, o que o tornava também um parente distante da rainha Isabel II e do príncipe Filipe. Olga era irmã de Nicolau II, o czar que foi assassinado pelos Bolcheviques, junto a toda a sua família, após a revolução russa de 1917.
Segundo o Telegraph, a notícia da morte de Leonid só se tornou conhecida porque um chefe da igreja Ortodoxa da Rússia na Austrália visitou Moscow e comunicou a família Romanov.

Kulikovsky viveu na Dinamarca até se mudar para Sidney, em 1967, mas não fez alardes sobre sua linhagem real e essa informação era completamente desconhecida por quem o conhecia. Ele trabalhou em uma distribuidora de água até se aposentar.

A linhagem de sua família próxima não deixa dúvidas de que sua vida poderia ter sido completamente diferente do que foi. O irmão do bisavô de Leonid foi o príncipe William, da Dinamarca, cujo filho Andrew, princípe da Grécia e da Dinamarca, era pai de Filipe (já mencionado), duque de Edimburgo, na Escócia. Não sendo bastante, a irmã de sua bisavó era esposa do Rei Eduardo VII, o bisavô da Rainha Isabel II.

fonte: the telegraph