‘Para diminuir fofocas’ o governo de Uganda taxou o uso de Whatsapp e Facebook

O governo de Uganda começou uma prática, no mínimo, controversa em relação ao uso de redes sociais pela população. Com a justificativa de diminuir a disseminação de fofocas online, o uso de whatsapp e facebook agora estão oficialmente taxados no país. O dinheiro, ainda segundo o governo, seria usado para pagar dividas externas do país.

Essa não é a primeira vez que o governo “se mete” no uso privado de redes sociais. Em 2016, durante as eleições o uso de redes sociais foi suspenso no país e os sites foram retirados do ar.

Quem quiser usar redes sociais e mensageiros (como Facebook, WhatsApp, Viber e Twitter), terá que desembolsar cerca de R$0,20 por dia (200 shillings). Parece pouco, seriam cerca de 6 reais por mês, mas não é tao simples assim.

Para o presidente do país, Yoweri Museveni, o acesso a internet é uma ferramenta importante para a formação do cidadão de uganda, mas isso não inclui necessariamente o uso de redes sociais. Além disso, transações bancárias feitas online também sofrerão taxação específica.

As medidas não tem sido vista com bons olhos por especialistas e vem sendo criticadas. Pelo menos um dos principais provedores de internet no país já criticou publicamente a medida e exigiu explicações. Dos quase 24 milhões de cadastrados no uso de cartões SIM, apenas 17 milhões usa acesso a internet.